Prefeitura de Timbó e Cidasc alertam sobre casos de raiva em bovinos em Timbó

No dia 21 de maio foram confirmados dois casos positivos de raiva em bovinos em Timbó. Segundo a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) de Timbó, são focos em duas propriedades na Mulde Central. O último caso de raiva registrado no município ocorreu por volta de 2012.

No dia 21 de maio foram confirmados dois casos positivos de raiva em bovinos em Timbó. Segundo a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) de Timbó, são focos em duas propriedades na Mulde Central. O último caso de raiva registrado no município ocorreu por volta de 2012.Alison Carlesse Ribeiro, médico veterinário oficial da CIDASC em Timbó, explica que a raiva é endêmica e cíclica aqui na região. O órgão está atento para que não se torne um surto. “É uma região em que o vírus está sempre circulando. Agora que está ocorrendo focos, todo mundo vacina, mas com o passar dos anos esquecem, daí a imunidade do rebanho cai e voltam os casos de raiva”.

Transmissão

A raiva é uma doença viral neurológica aguda e pode atingir todos os mamíferos, inclusive o ser humano. É altamente fatal. Sua transmissão ocorre, principalmente, pelos morcegos hematófagos, popularmente conhecidos como vampiros. Através de sua mordida transmitem o vírus. Cães e gatos, se estiverem contaminados, também podem transmitir a doença para os humanos através de mordedura. Desde o momento da transmissão, os primeiros sintomas podem levar entre 20 dias e seis meses para se manifestarem. Mas a partir do seu aparecimento, em torno de uma semana leva o animal à morte. A CIDASC também atua no controle da população do morcego transmissor, capturando em locais estratégicos alguns espécimes e aplicando a pasta vampiricida.Quando há a confirmação do caso, os donos dos animais são notificados, assim como a Vigilância Epidemiológica, que também faz o acompanhamento. As pessoas que tiveram contato com o animal recebem tratamento pós-exposição. São encaminhadas ao hospital, tomam soro e recebem a vacina da raiva.

Prevenção

A vacinação não é obrigatória, mas é a principal forma de prevenção da raiva. “É importante que os proprietários de bovinos, equinos, cães e gatos, vacinem seus animais, pois é a única maneira de prevenir esta doença fatal”, aponta Ribeiro. A vacinação é feita em duas doses iniciais e depois uma vez por ano.

Contato

Em caso de suspeita da infecção em bovinos, equinos, ovinos e caprinos ou verificação de ataques de morcegos em animais, a CIDASC de Timbó deve ser notificada, através dos telefones: 3399-3101 ou 3399-3192. Ou pode ser feito pelo site do órgão em cidasc.sc.gov.br.
Importante ressaltar que, as pessoas nunca devem manipular animais suspeitos, pois podem vir a se contaminar, colocando sua vida em risco.

Sintomas

Os donos de animais devem estar atentos aos sintomas que podem se manifestar de duas formas:

  • Paralítica: O animal se isola do rebanho, aumento da sensibilidade, barulhos podem fazê-lo ficar com medo, salivação excessiva, coordenação motora, tremores, perder o andar normal, começa a cair.
  • Furiosa: que torna os animais agressivos. Esta é mais comum em cães e gatos.

Assessora: Raquel Piske/Ascom PMT

Deixe uma resposta