Por que fazer um Planejamento Sucessório?

Spread the love

Especialista ressalta a importância e dá dicas para planejar estratégias de transferência do patrimônio familiar. 

Um dos cenários mais imprevisíveis da vida é a morte. Quando há o falecimento de um familiar, as incertezas vêm à tona. Muitas pessoas são surpreendidas com a grande burocracia, insegurança e custos em relação à herança familiar, costumeiramente enfrentados no processo de sucessão, com morosos processos de inventário.

O advogado especialista em direito tributário e societário e sócio proprietário do BPH Advogados, Marco Aurélio Poffo, explica que o planejamento sucessório consiste em adotar uma estratégia de transferência do patrimônio de uma pessoa depois da sua morte. “Por meio dele a transferência do patrimônio se torna menos  complexa. Muitas pessoas  não fazem um planejamento sucessório e depois de sua morte, a família entra em conflito pelo patrimônio. Por isso, o método se torna essencial para que a sucessão dos bens ocorra de forma rápida e sem desavenças”, esclarece. 

O especialista também destaca que através do planejamento é possível otimizar o pagamento de tributos. Em muitos casos, o planejamento é fundamental, principalmente quando há  empresa familiar e se deseja dar continuidade ao negócio.

Legislação brasileira 

Atualmente, a legislação brasileira que trata do direito sucessório, prevê que caberá aos herdeiros necessários, ou seja, descendentes e cônjuges, o recebimento de, no mínimo, metade dos bens da herança, a chamada “herança legítima”.

“Apesar de a norma impedir que todo o patrimônio seja livremente destinado por meio de testamento ou doações em desrespeito ao montante legal assegurado aos herdeiros, ainda há muito espaço para ajustar grande parte dos bens e a maneira pela qual estes serão administrados”, informa. 

Poffo ainda explica que, mesmo considerando que as relações familiares e afetivas muitas  vezes trazem consigo complexidades não contempladas em lei, elas somente poderão ser tratadas mediante análise do caso concreto. “Nestes casos é possível a implementação de planejamento voltado à preservação do patrimônio construído em vida, de maneira a viabilizar a sua distribuição com certa liberdade aos herdeiros, mediante a aplicação de um plano de sucessão familiar”, explica. 

Outro ponto que o advogado alerta é em relação à doação da herança em vida. “Isso permite que o patrimônio familiar não se dissolva, preservando-o contra terceiros, ou seja, genros, noras ou até credores, sendo possível instituir cláusulas como usufruto vitalício, reversão e restritivas de direito. Já o testamento permite que o autor, ainda em vida, delibere sobre a destinação do patrimônio na sua ausência, indicando quais bens deverão compor os quinhões de cada herdeiro”. 

“O planejamento sucessório é uma etapa extremamente necessária e deve ser realizada com cautela, antecipação e com especialistas da área, visualizando sempre o melhor cenário familiar após a sucessão, bem como, os desejos do autor da herança, evitando quaisquer conflitos familiares, bem como, insegurança e riscos dos negócios patrimoniais”, finaliza Poffo. 

NATHÁLIA HEIDORN
Presse Comunicação

Deixe um comentário