CADERNETA DE VACINA EM DIA PARA VOLTA ÀS AULAS

Spread the love

O governo do estado determinou a volta às aulas obrigatória para alunos da rede estadual de ensino em Santa Catarina. Até agosto as aulas estavam ocorrendo, em todas as redes públicas e particulares, na modalidade presencial ou remota. Agora, só ficarão em casa, alunos do estado que comprovarem comorbidades.

Claro, que para a volta vários critérios de segurança para combater a Pandemia de Coronavírus estão sendo tomados, para garantir a saúde dos alunos, equipe pedagógica e familiares. Mesmo que já esteja prevista a imunização contra a Covid-19 para adolescentes, o que ainda deve acontecer nos próximos meses, outras doenças continuam por aí, e precisam de atenção também.

Manter a caderneta de vacinação em dia é uma das medidas mais importantes de prevenção contra inúmeras doenças, já que a imunização protege o organismo contra os vírus e bactérias, responsáveis por diversos tipos de patologias graves.

Afinal, na escola, diferentemente do ambiente de dentro de casa, as crianças e professores ficam expostas a diversas doenças que circulam pelo ambiente, e que podem ser evitadas com vacinas. Na sala de aula, mesmo com o distanciamento, o convívio entre as pessoas de vários núcleos familiares aumenta o risco de contágio por qualquer doença, por isso a imunização é fundamental.

“Durante as aulas, em contato com pessoas e ambientes diferentes, as crianças apresentam mais doenças como viroses e gripes, e a imunização é forma de protegê-las e evitar que o quadro se agrave”, explica a enfermeira Amanda de Oliveira, responsável pela sala de vacinação da Primme Vacinas, clínica especializada em imunização adulto e infantil.

Aquelas doenças simples, comuns até, como catapora, gripe, ou mesmo as mais graves como tuberculose e meningite, são apenas algumas que podem ser combatidas com vacinas. A imunização já erradicou diversas doenças no Brasil que há anos não são registrados casos, e por isso é importante manter a meta vacinal e a caderneta em dia!

Na foto Amanda Oliveira, enfermeira

Foto: divulgação Primme Vacinas

Jornalista
Daniele Lottermann